sábado, fevereiro 21, 2009

imagem de sarah petruziello
ao rubens da cunha

chamamentos da chuva
à casa da minha infância
retornaram num piscar de olhos
[influxos de sanidade]
lugar onde não caibo mais

3 comentários:

Theo G. Alves disse...

chamo minha casa de infância de "a casa miúda", sei bem a sensação de não caber mais lá. compartilhamos essa memória baldia.

um abraço!

Rubens da Cunha disse...

obrigado por mais esse poema,

engraçado, a casa da minha infância ficou grande demais, quase num processo inverso, é ela que nao cabe mais em mim.

abraços
Rubes

ลndreia disse...

Por vezes crescemos... *